Ricardo Ribeiro

Ricardo Ribeiro nasce a 19 de agosto de 1981, em Lisboa e a sua maior referência é Fernando Maurício, nome maior do fado. Frequentou aulas de guitarra clássica e formação musical com os professores: José Carvalhinho, Manuel Soutulho e Lisete Teixeira.

Em 2004 foi editado pela CNM – Coleção Antologia o seu primeiro álbum Ricardo Ribeiro. Participou no Tributo a Amália Rodrigues – da editora World Conection, no mesmo ano.

Em 2005, a convite do encenador Ricardo Pais integra o espetáculo “Cabelo Branco é Saudade” com Celeste Rodrigues, Argentina Santos e Alcindo de Carvalho, apresentado no Teatro de Nacional São João. Neste mesmo ano, recebe o Prémio Revelação Masculina da Fundação Amália Rodrigues.

Em 2008 é convidado pelo alaudista/compositor libanês Rabih Abou-Khalil para cantar Em Português, um álbum com poemas de Silva Tavares, Mário Rainho, Tiago Torres da Silva, José Luís Gordo e António Rocha, editado pela Enja Records. Em Português foi eleito Top of the World Album atribuído pela revista inglesa Songlines.

Faz parte do filme “Fados” de Carlos Saura e também do “Filme do Desassossego” de João Botelho. Participa em “Rio Turvo” de Edgar Pêra e no documentário de Diogo Varela Silva “O Rei sem coroa”, sobre a vida e obra de Fernando Maurício.

Em 2010 edita Porta do Coração que atinge o galardão de ouro por vendas superiores a 10.000 exemplares, em 2012 e reúne alguns dos seus grandes êxitos “Moreninha da Travessa” ou “Fama de Alfama”. 

Em 2011 recebe o Prémio de Melhor Intérprete Masculino atribuído pela Fundação Amália Rodrigues. Neste mesmo ano participa no ciclo de música Luso-Chinesa e canta com a Orquestra Chinesa de Macau, no Grande Auditório do Centro Cultural de Macau sob a direção do Maestro Pang Ka Pang.

Canta na Bienal de Veneza em 2013 no jantar inaugural do pavilhão de Portugal. Também em 2013 participa com Pedro Jóia no concerto comemorativo do Dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas em Caracas. A acompanhar os dois intérpretes estava a “Orquestra Sinfónica da Venezuela” sob a direção do Maestro Osvaldo Ferreira, no Teatro Teresa Carreño.

O álbum Largo da Memória é editado pela Warner em outubro de 2013.

Largo da Memória é apresentado pela primeira vez no CCB e na Casa da Música, em fevereiro de 2014 e segue-se uma intensa tournée pelos palcos nacionais e internacionais.

O fadista Ricardo Ribeiro recebe dia 27 de janeiro de 2015 das mãos do Presidente da República Cavaco Silva a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique. 

Fora de portas, Ricardo Ribeiro é nomeado para a categoria de Melhor Artista de 2015 pela revista britânica Songlines, numa votação inteiramente decidida pelo público. Ricardo continua a dar concertos e a levar o seu Fado mais longe, seja com os concertos de Largo da Memória, seja com o projeto Em Português que divide com o alaudista Rabih Abou-Khalil.

Em abril, inicia colaboração com o pianista João Paulo Esteves da Silva, num concerto pensado especialmente para a edição desse ano do festival “Dias da Música”.

Em julho do mesmo ano é editado o disco Amália – As vozes do Fado, o fadista canta “Grito” e “Maria La Portuguesa” tema com a produção do guitarrista espanhol Javier Limón. 

Em 2016 Ricardo Ribeiro edita Hoje é assim, amanhã não sei., trabalho pelo qual recebe a cotação máxima (5 estrelas) no jornal Expresso, 4 estrelas no Ipsílon, na revista Blitz, na revista Time Out e também na publicação britânica Songlines que nomeia Ricardo Ribeiro como a melhor voz masculina do Fado da sua geração, atribuindo 4 em 5 estrelas a Hoje é assim, amanhã não sei.

O sucessor de Largo da Memória tem como primeiro single “Nos Dias de Hoje”, um original com letra e música de Tozé Brito. Neste trabalho editado a 1 de abril de 2016 pela Warner Music Portugal, o fadista junta mais uma vez alguns convidados. Todos estes convidados subiram ao palco do seu primeiro Coliseu de Lisboa, a 30 de abril do mesmo ano

Ricardo é convidado para integrar o novo filme de Diogo Varela e Silva um musical intitulado “Alfama em Si”, ainda sem data de estreia. 

É ainda em 2016 que concretiza o sonho de cantar a “Toada de Portalegre” de José Régio, a convite da Orquestra Metropolitana com composição de Rabih Abou-Khalil e a integrar “Fado Barroco” projeto do grupo de música antiga Os Músicos do Tejo e que juntou, numa viagem pela portugalidade, Ricardo Ribeiro na voz, a soprano Ana Quintans  e os músicos Miguel Amaral (guitarra portuguesa) e Marco Oliveira  (viola). A estreia deste espetáculo teve lugar em Helsínquia na passagem do ano de 2015 para 2016 e no dia de Ano Novo e chegou dia 14 de dezembro de 2016 à Fundação Calouste Gulbenkian.

A 8 de Dezembro de 2016 Ricardo Ribeiro esteve na Casa da Música, no Porto, a apresentar pela primeira vez este novo trabalho num concerto de enorme beleza. 

Em 2017, Ricardo Ribeiro continuou a divulgar o álbum Hoje é assim, amanhã não sei. um pouco por todo o país e estrangeiro, nomeadamente em França – cujo disco Hoje é assim, amanhã não sei. é editado no dia 3 de fevereiro – Bélgica, Suíça e Luxemburgo. A tournée internacional passou ainda pela Rússia, Áustria, Holanda, Inglaterra, Noruega, Bélgica.

À semelhança de quando editou Largo da Memóra, que inclusivamente já é Disco de Ouro, também com Hoje é assim, amanhã não sei. Ricardo esteve na corrida do Best Artist´17 atribuído pela revista britânica Songlines. 

Hoje é assim, amanhã não sei. foi inclusivamente editado no Reino Unido em maio de 2016. A 10 de junho Ricardo Ribeiro atuou no Castelo de São Jorge num espetáculo dedicado ao Tango e Fado, concerto intitulado “El Gordo Triste”. 

A 24 de junho o fadista foi convidado pelo guitarrista brasileiro Yamandu Costa para participar no concerto em Lisboa e as críticas não podiam ser melhores.

Ricardo Ribeiro foi galardoado com o conceituado Prémio Carlos Paredes´17 em ex-aequo com o grupo Quarteto Artemsax & Lino Guerreiro, atribuído pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira. Galardão que recebeu no concelho a 23 de novembro, numa cerimónia pública.

Ricardo Ribeiro recebeu igualmente uma menção no Prémio José Afonso 2017 também pelo álbum Hoje é assim, amanhã não sei. pela Câmara Municipal da Amadora.

A 26 de outubro, o cantor e músico estreou o espetáculo “Tributo a José Afonso”, num convite feito pelo CCB para preencher a Carta Branca deste ano.

No fim do mês de novembro, Ricardo Ribeiro estreou o videoclipe de “Fadinho Alentejano”, segundo single retirado do álbum Hoje é assim, amanhã não sei. Estetema conta com a participação do coro de cante alentejano Os Ganhões de Castro Verde, num original de Paulo de Carvalho. 

O videoclipe rodado entre a planície alentejana e o estuário do Tejo – Lisboa – conta ainda com a participação do ator/comediante e apresentador César Mourão e a jovem fadista Diana Vilarinho. 

No inicio de dezembro, Ricardo Ribeiro esteve mais uma vez em tour pela Bélgica, num périplo que juntou 5 cidades.

2018 começa com a atuação no Farj Music Festival, em Teerão, passa pelo Canadá, França, e ainda a primeira vez no Festival de Fado de Nova Iorque, no dia 24 de março no auditório do Schimmel Center. Marcadas estão também atuações na Áustria, e em Espanha.

A reserva online de bilhetes para este concerto está oficialmente encerrada!
Poderão ainda existir vagas disponíveis no próprio dia e local do concerto.

Ligue 252 808 830 se necessitar de informações adicionais.
Obrigado!